Postagem Revisada - Nova edição

Não controlar adequadamente os custos é como rasgar dinheiro. Sistemas tradicionais e até sistemas avançados de custos muitas vezes pouco auxiliam na gestão, controle e redução dos custos. Quando bem instalados eles medem os custos dos produtos que nada mais é do que a consequência de tudo que acontece desde o desenvolvimento de um fornecedor, até a produção, venda, entrega, recebimento da venda, pós venda, garantia, assistência técnica e muitos outros processos que as empresas mantêm.

Assim como ir ao médico e receber um antiácido para o estômago, voltar para casa e continuar comendo diariamente batatas fritas com linguiça acompanhados por refrigerante. Um paciente assim precisa ser orientado sobre os hábitos alimentares e deve passar por uma reeducação na forma de se alimentar.

Da mesma forma, empresas que querem, precisam e podem reduzir seus custos devem focar as causas dos custos e não nas consequências, e com certeza irão identificar um bom número de causas que contribuem para os custos serem maiores do que eles deveriam ser.

Não controlar as causas que impactam em custos é como rasgar dinheiro. É fundamental controlar as causas dos custos serem elevados e atuar fortemente sobre as mesmas.

Custos Contábeis reportam as consequências dos custos e não propiciam informações para tomada de decisão e melhorias nos processos essenciais e determinantes dos custos.

Seguem alguns exemplos de elementos que são causas dos custos e que precisam ser entendidos, medidos e avaliados no impacto que trazem aos custos:

1 - OEE

OEE significa "overall equipment effictiveness"e é sem dúvida o mais completo indicador de uma unidade produtiva. O OEE mede o desempenho combinado de três diferentes elementos chave.

 OEE considera:

1.1  Tempo de disponibilidade que um equipamento tem para funcionar. É um índice que mostra a relação entre entre o tempo planejado e o tempo real real de operação.

Paradas planejadas e não planejadas interferem no tempo de disponibilidade. Tais paradas ao serem minimizadas fazem com que esse indicador cresça em função de menores perdas serem obtidas.

1.2 Performance - mede eficiência obtida no ritmo de produção dos equipamentos.

Pequenas interrupções e velocidade de funcionamento dos equipamentos são os principais elementos que determinam esse indicador. Em algumas empresas a velocidade de trabalho dos equipamentos é reduzida em função de desgaste de equipamentos, falta de ajustes e até por problema de falta de treinamento e experiência dos operadores. Já muitos responsáveis por linha preferem reduzir a velocidade para ter menos preocupação com os ajustes finos necessários.

1.3 Qualidade - Mede a relação entre peças boas em relação às peças totais.

Produtos rejeitados, retrabalho e refugos são alguns elementos que impactam no índice de qualidade. Foco em fazer correto pela primeira vez e a abordagem !"six sigma" são elementos de favorecem o índice de qualidade.

Empresas que nunca mediram e começam a medir o OEE  podem ficar assustadas pelos baixos OEE´s alcançados. Mas o que se mostra como problema na realidade é oportunidade para melhoria e otimização dos processos envolvidos no OEE.

2- TPM

Fonte: WIKIPEDIA

Total Productive Maintenance (TPM) (em portuguêsManutenção Produtiva Total) é um sistema desenvolvido no Japão a fim de eliminar perdas, reduzir paradas, garantir a qualidade e diminuir custos nas empresas com processos contínuos. A sigla TPM foi registrada pelo JIPM ("Instituto Japonês de Manutenção de Planta"). A letra "T", de "Total", significa o envolvimento de todos os empregados.

Empresas que possuem um bom TPM, asseguram estabilidade nos processos, maior disponibilidade e consequentemente menores custos.

3- Custos da Qualidade


Custo da qualidade pode ser definido, em poucas palavras, como o custo incorrido por causa da existência, ou da possibilidade de existência de uma baixa qualidade.

Antonio Robles destaca que o Controller moderno é um gestor de banco de dados, e acrescenta que os dados dos sistemas de custos da qualidade integram o banco de dados da Controladoria.

De acordo com FEIGENBAUN, os custos da qualidade poderiam ser equiparados em importância a outras categorias de custos, como os custos da mão de obra, custos de vendas ou custos da engenharia. Desse ponto de vista, o custo da qualidade é o custo de se fazer as coisas de modo errado.

Fonte: Custos da Qualidade

Medir e entender os custos da qualidade é fundamental. Por exemplo: há custos cujo aumento de 10 pode trazer uma redução no custos final de 20. Nesses custos podem se enquadrar os custos da prevenção

4- Rendimentos de Produção

Fonte: Custos - Cálculo de rendimentos de produção (Yield production ) / O que os livros não falam

Rendimento de Produção ( Production Yield ) é um dos principais indicadores que determinam os custos dos produtos processados.
O rendimento é um indicador que muitas vezes as áreas contábeis não focam, mas os engenheiros e outros profissionais da produção conhecem mas nem sempre analisam suficientemente, e por vezes até mascaram os índices, pois esse indicador é como um raio X que reflete efetivamente o bom e o mau aproveitamento obtido na utilização dos insumos consumidos nos processos produtivos.

O conceito é simples, Rendimento é o índice resultante entre o que entra e o que sai de um processo produtivo. Em outras palavras, é o resultado da relação input / output dos processos produtivos.

Rendimentos de produção são úteis em empresas químicas, alimentícias, metalúrgicas e em outras empresas onde as materiais primas são utilizadas e no final do processo obtêm-se um produto processado. As perdas tangíveis e intangíveis devem ser avaliadas, valorizadas e entendidas.

5- Controle eficaz das ordens e apontamentos de produção

Fonte: Boas práticas nos controles das ordens e apontamentos de produção
Este tópico por si só não aumenta os custos diretamente, mas contribui para o aumento dos custos uma vez que dificulta o controle e impede a medição correta dos custos de fábrica. Algumas práticas simples quando adotadas asseguram qualidade nos controles e análises detalhas sobre as ordens de produção.

Uma ordem de produção não deve ser encerrada sem que antes se assegure que todos os insumos foram devidamente requisitados e debitados à ordem.

6- Qualidade nos dados mestres ( Master Data )

Sistemas de custos são fortemente prejudicados pela baixa qualidade nos cadastros e parâmetros dos sistemas integrados ( ERP´s ). Existem casos de empresas que gastam milhões para implantar um sistema como o SAP mas nega recursos essenciais para promover um boa implantação do sistema.

Longe de esgotar tudo que possa influenciar e ser causa dos custos os itens acima são vitais se atuar na busca da otimização dos custos.


Contrate a Palestra ou Seminário: Gestão Eficaz de Custos em tempos de crise. Excelente Custo benefício. Faça uma consulta: alphapremium@alphapremiumconsultoria.com.br (11) 97227.7471